quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

Peças de teatro sobre a Alimentação

Vejam as peças de teatro que os alunos do  4º ano elaboraram e representaram.

«A Cláudia e a Alimentação»


Cenário: casa da Cláudia
Tempo (horas): 15:00h

Narrador – Olá meninos e meninas, eu sou o narrador e vou contar-vos uma história.
Eu, certo dia conheci uma menina que para mim era muito gulosa. Ela comia muitos doces às escondidas dos pais, familiares e amigos. Eu vou contar-vos a sua história.


Aparece a mãe da Cláudia

Mãe da Cláudia – Cláudia, querida queres vir comigo as compras?

Aparece a Cláudia

Cláudia – O que é que vais comprar?

Mãe da Cláudia – Só alimentos saudáveis; fruta, legumes, pão e outros. Então queres vir?

Cláudia – Não … não quero.

A mãe da Cláudia sai e o narrador fala

Narrador – Agora que a mãe da Cláudia saiu e que não tem ninguém em casa, pois o pai , esta a trabalhar na fábrica de bolachas de chocolate, ela já tinha o caminho livre para se empanturrar de doces e outras guloseimas. Quando ela ia trincar a bola de Berlim, ouviu alguém a falar para ela:

Voz da pêra – Cláudia, porque não me comes a mim? Eu sou saudável e deliciosa. Come-me a mim em vez dessa bola de Berlim!

Cláudia – Quem falou? Quem é?

Nesse momento, depois da Cláudia falar a pêra salta da taça

Pêra – Estou aqui! Agora já me vês?

Cláudia – A? Uma pêra falante?!!!

Pêra – Sim, nunca viste nenhuma? Ah, que engano meu, é claro que não.

Aparece o chocolate e a bolacha de chocolate

Chocolate -  Não oiças essa pêra manipuladora, come-me a mim e a minha prima bolacha de chocolate.

A Cláudia come o chocolate e a bolacha de chocolate

Narrador – A Cláudia comeu a bolacha de chocolate e o chocolate.
E dentro do corpo da Cláudia o estômago disse:

Aparece o estômago e saem todas as outras personagens

Estômago – Ai…, ai…, tanta dores que eu tenho, pára de comer essas porcarias, come antes a pêra.

Aparece a Cláudia

Cláudia – Mas os doces são tão bons !!

Estômago – Mas fazem muito, muito mal. Chama a médica estou a pedir-te, dói-te  a barriga.

Nesse instante chega a mãe da Cláudia

Cláudia – Mãe, mãe chama a médica, dói-me a barriga.

Narrador – A mãe foi chamar a médica e enquanto ela não chegava a mãe perguntou à Cláudia o que é que ela tinha comido e ela disse-lhe que todos os dias quando a mãe não estava, ela comia 2 caixas de bolachas de chocolate e 3  tabletes de chocolate e por vezes, também comia bolas de Berlim.

Chega a médica

Médica – Olá Cláudia. Como te sentes?

Cláudia – Sra. Doutora, não me sinto muito bem, porque me dói a barriga.

Médica –  Então vamos lá ver isso.
A médica examina a Cláudia e diz:

Médica – Cláudia já sei o que tu tens, tu tens S.E.G. que quer dizer síndrome de excesso de guloseimas . Tu para te curares vais ter de só comer alimentos saudáveis. E quando a tua mãe for às compras tens de ir com ela.

A médica sai e entra a pêra
Narrador – Depois  da médica sair a pêra diz:

Pêra – Vês como eu tinha razão? Tu devias ter-me comido a mim.

Cláudia – Tens razão.

Narrador –  E assim a Cláudia aprendeu uma lição valiosa e nunca mais irá comer às escondidas dos pais, amigos e familiares.
                   Esta foi a história da Cláudia.



                                      FIM


Grupo A- 4º ano:
Maria Inês
Mariana
Fábio
Francisca
Simão


                                      “A Alimentação”                                    

  Narrador – Era uma vez um menino chamado Toneco que tinha um vício de comer doces a toda a hora e todo o dia.
  Pais do Toneco – Tem atenção à tua alimentação! Senão vais ficar obeso e depois ficarás com limitações.
   Toneco – Ok, ok …Deixem-me estar. Está tudo bem, estou a fazer uma alimentação muito boa.
    Narrador -  Dizia ele muito descansado e contente .Ele não se cuidava, só queria comida, comida, quero dizer, não era comida eram doces.
     Dente – Ai, ai, já não aguento mais…Só rebuçados chupas – chupas e chocolates. Estou cheio disto, só doces que me fazem mal! Ainda por cima não lava os dentes este rapaz! Estou cheio!
      Narrador – O dente dizia isto todos, todos os dias… Os pais chamavam-lhe à atenção, mas eram sempre doces que comia em vez de alimentos saudáveis.
Pais do Toneco – Vamos as compras. O que vais querer meu filho Toneco?
Toneco – Eu só quero doces, rebuçados, chupa-chupas, gomas, chocolates, gelados e grandes bolos recheados de chocolate e muito mais.
Narrador – A mãe e o pai muito tristes foram às compras. Tristes e aborrecidos compraram tudo o que o Toneco pediu. O Toneco ficou muito feliz, mas os pais ficaram muito, muito tristes.
Dente – Espero que a mãe do Toneco traga o que o Toneco devia comer…, não quero que ele volte a comer aqueles doces.
Narrador – Apareceu a Dª. Maçã e disse:
Maçã – Come-me a mim e a outros alimentos saudáveis. Chocolates e doces fazem mal aos dentes e à barriga.
Narrador – A maçã com determinação disse tudo aquilo que era necessário e de repente apareceram os doces que começaram a falar.
Doces – Repete o que disseste. Comer doces é o que faz melhor! Nem faz mal à barriga, nem aos dentes.
Maçã – Eu faço bem a toda a gente e não faço mal à barriga, aos dentes nem a nada e por isso estou na roda dos alimentos.
Narrador – Os doces não tinham razão, eles diziam que não faziam mal a nada e a ninguém. Quando a maçã começou a falar disse tudo com razão e Toneco a tentar acreditar qual deles estava a falar com razão disse:
Toneco – Qual de vós está a falar com razão?
Narrador – Apareceu o senhor dentista e disse ao Toneco:
Dentista – Toneco quem está a falar com razão é a maçã.
Toneco – Ah! Então foi por isso que me começou a doer os dentes??!
Narrador – Agora, Toneco só come alimentos saudáveis e até fez uma receita que é a seguinte:


Toneco – Receita:

                   Pais evitem dar-me:
¨     Fritos
¨     Doçuras
¨     Pizas
¨     Gorduras
Podem dar– me:
¨     Fruta
¨     Legumes
¨     Hidratos de carbono
¨     Carne e peixe
¨     Leguminosas
¨     Lacticínios

Adivinha:

Qual é a coisa qual é ela que é uma senhora redondinha e que nos ajuda a escolher os alimentos?

Solução:
É a roda dos alimentos.


Toneco – Viram a minha receita? Agora vou ser saudável e não queiram ser como eu era.
Narrador – E assim felizmente acabou a história!
Todos – Moral da história:
                   “Nunca queiras ser como o Toneco que era feio e barrigudo e agora ele é muito feliz, bonito e formoso e o mais importante de tudo é que é saudável e nunca mais ficou doente.”



Grupo B- 4º ano:
-David
-Ariana
-André
-Inês C.
-Gonçalo
 


4 comentários:

  1. Os carreirinhas são os melhores e os mais inteligentes do mundo !!

    ResponderEliminar
  2. Concordo com vosco as peças estam muito interessantes

    ResponderEliminar
  3. Adeus escola!!! Peço imensa desculpa por vos deixar mas eu prometo: voltarei para vos visitar!!!!

    Maria Inês

    ResponderEliminar